segunda-feira, 18 de junho de 2007

Ativismo transitório

Mundo globalizado,
Muita gente inconseqüente mente,
E inconscientes agem,
Mentes confusas e agitadas,
Animais como referência atrasada,
Músicas batidas, batidas são músicas,
O lento não existe,
O objetivo cada vez mais difuso,
Deus cada vez mais abstrato,
Amores que são quase um trato,
Lugares distantes em instantes,
Acesso a tudo,
Tudo em um clique,
Simples e ao mesmo tempo complexo,
Muitos sem acesso,
Informação limitada,
Como atingir o sucesso?
Lutar contra quem?
Não vejo meu líder,
Não vejo minha rainha e nem meu ditador,
Será eu um definitivo perdedor,
Conformado com o falso estável?
Que tempo tenho eu pra reivindicar?
Reivindicar o que, a quem?
Rei de quem serei ao conquistar?
O real é trabalhar,
E quietinho no meu canto,
Feliz sem reclamar,
O exército de mudos esta na porta,
O momento é estranho,
É transitório,
O novo sempre camufla aquilo que não queremos,
Inflama a alegria de comprar,
Engana até mesmo os prejudicados,
Mesmo que falte o básico,
Mesmo que falte a cesta básica,
A grande empresa internacional no meu quintal,
Deu-me asfalto e uma motocicleta,
Mas quando tudo passar,
E eu ainda estiver com gasolina no tanque,
Convocarei o exército a gritar,
Vamos lavar a roupa suja escancarada no varal,
Reivindicar o verdadeiro direito que temos,
Combater os moinhos estagnados na política,
E caminhar pra cima dos vilões e dos heróis,
Sejam eles falsos ou ferozes.

2 comentários:

Douglas disse...

A soluçao é ter um pensamento mais epicurista nesse mundo tão estoicista! :P

Julia Pedreira disse...

"Reivindicar o que, a quem?
Rei de quem serei ao conquistar?
O real é trabalhar,"

Foda véi. Tanto o sentido quanto a sonoridade.