quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Ainda não tenho orgulho

Ele era apenas um figurante
Não era ão e nem inho
Não era no centro
Nem era do meu braço direito
Era apenas o vizinho
Que na queda
No desespero
No desespero
No desespero
Quebrou o dedo
Estraçalhou a articulação
Deslocou tudo

Ah, mas que bobagem!

É, talvez você nunca tenha quebrado um dedo
Não da forma que quebrei
Ele não voltará a ser o mesmo de antes
Ele que era quieto, mas sempre viril
Agora ta lá, torto e bobão

Tem tanta gente pior
Ta reclamando de barriga cheia
“Você num viu na paraolimpíadas aquele brasileiro?” (by mamãe)

É talvez, ou melhor, é certo que vou me acostumar
Ainda irei me orgulhar deste dedo, que antes era figurante, que hoje é vilão
Mas que um dia será campeão!

Marcos, pára de brincar, isso é sério.

Pois é, serei, sério.
Já estou desistindo do remo e do teclado. Farei salto em distância.
Palhaçada não faço mais.

Um comentário:

Ryan disse...

Uai, a alguns poucos dias você estava falando das próximas olimpíadas e tudo mais. Quebrou o dedo Marcos?!
Não creio que Um dedo coadjuvante nessa história irá atrapalhar você nos treinos de remo (após sua recuperação é claro)!
Mande notícias !!!

hahaha

dedo viril
kkkkkkkkkkk

_|_

abraço amigo