segunda-feira, 30 de julho de 2007

Quase a gosto

Pensei em partir
Em ir sem rir
Lugar comum algum
Pro chão, canção ou céu
Em mim parir
Ali cair
Voar, cantar ou véu
Amor comum não quero
Com pão, anel e inferno

Beijei seu pescoço
Ouvi o desgosto
Senti o frio de julho sem gosto
Afoguei-me no mergulho do oposto
Meu rosto se distrai
Meu sentir se destrói
Destrulhos das trilhas truncadas dos troços tralhados

Sapatos
Eu os quero muito mais coloridos
Eu Quero ter mais amigos
Inimigos
Quero a infância de volta
Quero a porta da rua sem ruído
Quero o silêncio em meu ouvido
Quero logo um sonho a buscar
Sozinho.


Marcos Luppi, fiz hoje, em plena segunda-feira gelada

2 comentários:

Anônimo disse...

tem gente achando que vai se livrar de mim assim tão fácilmente...
não vai

Dan disse...

parabens....